O fim do RPG! Jumanji e Jonny Sparrow – Divã do Jonny #6

Dá um look atento na cara do The Rock (Não! O nome dele NÃO é Dwayne! :P). Olhou atentamente?

Pois, então, sou eu falando pra vocês: acharam que eu tinha morrido, né, “modas focas”?!!! Não, claro que não. Estou por aí em plena (in)atividade. E enfim, temos mais um Divã do Jonny, onde eu compartilho minhas recentes experiências com vocês. Bora logo pro mais importante da postagem, o mais novo Jumanji. E continue lendo até o final, pois, tem mensagem importante pra vocês dessa pequena, porém seleta, comunidade que é o RPG.

Kevin Hart. The Rock (Dwayne Johnson). Karen Gillan. Jack Black. Elenco sinérgico em Jumanji.

Jumanji

Quando li que haveria um novo Jumanji confesso ter ficado ressabiado. Como este filme poderia ser interessante sem a peça mais importante? A saber, a peça não é nenhuma de tabuleiro, mas, sim o inesquecível e trágico Robin Williams. Não que o filme original fosse carregado apenas pela atuação do ator, mas, é daqueles filmes que o ator fica tão atrelado a ele que é complicado imaginar com um elenco distinto. Ainda mais quando você substitui o protagonismo de um comediante por um ator que está mais habituado a filmes de ação. Mas, galera! Vou falar procês: não é que o negócio deu certo?

Aqui temos todo o filme original reimaginado pros dias atuais. Evitarei spoilar qualquer coisa sobre a trama com o óbvio objetivo de guardar as surpresas pra vocês mesmos. Mas, saibam que o roteiro é muito feliz em encaixar toda a parte do “jogo” de Jumanji para o público mais novo e ainda acompanhar o momento do mundo em que vivemos. Temos quatro personagens adolescentes que oferecem uma diversidade étnica notável: um indiano, um negro, uma loira e uma ruiva.

Homens. Mulheres. Branco. Negro. Saiba que o roteiro leve e divertido ainda esconde camadas (leves) de discussões mais adultas como o “orgulho de ser preto” e até mesmo uma cena de “beijo” entre homens.

“Carai Jonny! É sério isso aí? Mas, não é um filme pra crianças? Que discussão séria pra mentes infantis”. – Relaxa leitor(a). O filme é tão bacana que ele faz isso de forma muito leve e orgânica. E o charme do roteiro se encontra nisso mesmo. Você quase não percebe que eles estão propondo estas discussões diante da aventura divertida, regada de boas cenas de ação e com um humor apelativo a qualquer público. Mas, confesso que este humor é ainda mais apelativo pra galera “nerd”. Assistam e entenderão.

Pra fechar essa brevíssima análise, saiba que o elenco consegue cumprir o papel de substituir os personagens originais de forma magistral. The Rock, sempre carismático, consegue, enfim, colocar sensibilidade debaixo daquela montanha de músculos (ainda que isso tenha contribuição narrativa do “outro” personagem) e Karen Gillan que consegue personificar de forma bacana e crível os trejeitos e medos de sua outra persona. Mas, ainda assim os grandes destaques do sinérgico elenco pra mim são Kevin Hart e Jack Black. Saiba que os motivos das maiores e mais gostosas risadas que você dará neste filme é em razão destes dois aqui. Mas, tão importante quanto isso, a proposta de reflexão leve e sutil a respeito de orgulho negro e amor entre pessoas de mesmo sexo está com eles. Tudo de forma muito leve e quase imperceptível.

Jumanji é um filme sobretudo de comédia, mas, que consegue entre uma cena de ação e outra, sensibilizar de forma leve e com uma excelente apresentação visual. Recomendo demais.

Joguinhos

Já falei em outros momentos com vocês, mas, galera, esse negócio de ser adulto é complicado mesmo, hein? Nessa levada aí eu tenho cada vez mais deixado minha vida de joguinhos praqueles que você não precisa de muito tempo pra se inteirar sobre eles ou aprender tudo de novo. Ou seja, paradoxalmente, estou investindo muito do meu pouco tempo livre em jogos competitivos. Paradoxal, eu sei. Mas, entenda, é muito mais simples se dedicar a jogar aquilo que você já está cotidianamente se, errrrr, dedicando. Desta feita, games como Overwatch tem feito minha cabeça ou aparelhos como o Switch me permitem fazer a fila andar em qualquer lugar.

Mas, no meio disso tudo consegui achar tempo e prazeres em uma série que tem pouco apelo pra mim: Assassin’s Creed. Ela chegou atrasada pra mim e consequentemente nunca conseguiu me tirar das minhas franquias favoritas. Até que em dezembro último a UPlay estava dando de graça 0800 gratuitamente grátis o episódio IV, Black Flag (estou jogando no PC). A intenção não é falar muito sobre ele, pois, a experiência está sendo tão bacana que pretendo abordá-lo de alguma outra forma no futuro. Mas, saibam que este prazer não foi encontrado logo no primeiro contato, não. Tive problemas com ele, pois, após Breath of the Wild qualquer mundo aberto com excesso de sinais e mapa carregado de coisas fica pouco convidativo…

Mas, passado esses problemas iniciais encontrei um game que ainda que ofereça um combate travado, tem uma exploração rica e recompensadora, controlar navios é curiosamente gostoso e temos muita customização a disposição. Completistas devem ter “sofrido” com este aqui. Gostando muito dele e como supracitado, pretendo, sem promessas, abordar ele em algum momento (nem que seja nos Tavernas da vida).

O Fim do RPG?

Por mais que doa dizer e admitir: é o fim de um ciclo…

Besteira pura. Sem dramas, galera. O RPG não tá acabando! Os domínios e servidores continuam aí por tempo indeterminado para que continuemos tendo nossas conversas sobre nossos hobbys favoritos. A razão deste tópico é explicar a vocês o pouco conteúdo novo pra comunidade que acabei criando que é o RPG.

É inegável que o pequeno grupo que atendeu ao meu chamado de criar um conteúdo diferente sobre games está cada vez mais atarefado, eu incluso. Tenho tentado incessantemente pensar em uma forma inteligente de monetizar de forma orgânica e aceitável pra poder incentivar (leia-se: pagar) conteúdo pra termos um RPG mais dinâmico e com conteúdo recorrente. Mas, não é fácil, não, viu? Ainda mais nesse nosso hobby de nicho e tão disputado. Ou seja, o RPG ainda é só custo.

Então, é isso. Lembrem-se que sempre que quiserem ter aquele conteúdo original publicado pra ajudar a manter comunidade abastecida é bem vindo. O RPG vive!

Abraços e até a próxima postagem (seja ela quando for :P). .o/

Ajude o site a crescer, compartilhe este artigo. (:
  • Dark Angel Caxias

    Como diria o Jack Estripador, “vamos por partes”… rs
    Sobre o novo Jumanji, pode colocar-me no grupo dos céticos, especialmente depois que vi a nova “temática”, um tanto diferente da original, e o elenco (ainda que eu tenha um certo… “apreço”, digamos, pela Karen Gillan, por conta do Doctor Who… rs). Mas, pelas análises e comentários que venho vendo, parece-me que o filme saiu-se muito melhor do que o esperado, o que me surpreende e agrada também (ainda mais, com as decepções que se vê por aí todo ano em situações similares). Ainda assim, não é um filme que “atraia” muito a minha atenção, simplesmente; irei assistir quando passar na televisão, como faço com a grande maioria, de qualquer forma.
    Em relação à jogatina, continuo atualizando a minha jornada pelo Xenoblade Chronicles 2; por mais que eu tenha gostado do Breath of the Wild – tenho quase 400 horas de jogo nele -, penso que a exploração dele não vem atrapalhando a minha apreciação de outros mundos abertos (apesar que já senti falta do Paraglider em um momento ou outro)…
    E, por fim… como será esse “fim” do RPG? A Taverna diária não será mais publicada? Ou serão “apenas” os conteúdos próprios, que não teremos mais? Já tive o azar de entrar no Finalboss somente nos seus últimos meses de existência… rs

    • Hahahaha, acho que o que o @jonnyel:disqus quis dizer sobre o fim do RPG é que, nem um, nem outro, hahahaha. O conteúdo original vai continuar (veja o exemplo aqui nesse próprio Divã), e a Taverna vai continuar também. O problema… bom, o problema é a vida que entra no caminho da diversão, hahahaha. Eu mesmo tenho tanta coisa planejada, e não consigo terminar nada. Mas, tenho certeza que logo logo consigo voltar com as minhas postagens, O SONHO NÃO MORREU, hahahaha. O Jonny sabe, até tentei dar um de relações públicas do site no final do ano passado, mas isso ainda é mais uma para a lista de projetos em andamento, hehehe.

      • Dark Angel Caxias

        Muito melhor, então; ainda que seja até um tanto “desnecessário” dizer, digamos, mas, a despeito de algumas poucas e raras discussões mais acaloradas, a comunidade aqui é simplesmente uma das melhores, senão a melhor, que já tive a oportunidade de ver nos sites por aí, quanto mais de participar (perdoe-me, Finalboss). Comparar aqui, com o que às vezes eu vejo no IGN Brasil, é como sair do céu e cair no inferno… rs

  • Mysteron

    Jonny, cara. Isso aqui é amor, e amor nunca morre!!!

    Sabemos que esse esquema de vida de adulto às vezes é complicado. O Tempo é curto, as responsabilidades são muitas e nem sempre conseguimos juntar todas as facetas de nossa vida de forma ideal, mas tenho que aproveitar para dizer algumas coisas sobre o RPG:

    – Quem sabe aquela mensagem automática todo dia no Taverna não alimente o sonho da galera em ter seu conteúdo publicado aqui. Eu mesmo tentei e saí extremamente satisfeito com o tratamento que o site deu ao meu texto sobre o Sonic Mania, com ajustes, layout e destaques de forma que nunca havia imaginado. O que me deixou extremamente feliz.

    – Dê tempo ao tempo, como a maioria do pessoal aqui já “disvirjinou” e tem famílias, esses meses de fim/início de ano é aquele momento onde a maioria do pessoal dá uma visitada no tal do “mundo real”. Imagino que depois desse período, as contribuições aumentarão com certeza.

    – Briga com o povo lá do Final Brothers para que eles apareçam aqui!

    – E não custa nada lembrar a todos que o Dono da taverna aqui dá tratamento VIP a todos que ajudarem na sua expansão. Até eu mesmo estou devendo em uma participação mais acalorada, mas esse aviso dá aquela “acordada” para que possamos expandir cada vez mais esse espaço que é nosso.

    Como mencionado por você, o RPG vive! E vai continuar firme e forte!

    Valeu por tudo, cara!

    • Hahahahaha… Que irado, Mysteron! Acho um barato ver a galera curtindo o simples fato de estarem conversando sobre essa nossa paixão. Comentários como esse seu alimenta o vigor aí. Anotei as sugestões e acho que dá pra fazer algo nesse sentido mesmo.

      Sou eu que tenho que agradecer ao suporte que vocês dão pro RPG. Isso chega a ser emocionante. ;’)

      • Mysteron

        Eu acho que com certeza dá para ampliar o conteúdo com esses pequenos toques. Eu mesmo já pensei em 2 coisas aqui: de repente, se você conseguir convencer a galera a fazer um mini-review ao invés de apenas comentar sobre um jogo no qual jogou bastante na Taverna (tipo o JJJ, ou o Gabuga com as suas crônicas), ou até mesmo aproveitar que o Sonic vai vencer (dedos cruzados) a enquete lá do Final Brothers para começarmos a comentar cada jogo de uma retro-série, podemos, com certeza, ver uma variedade de artigos surgindo. Eu mesmo estou me segurando até março pois eu com certeza vou querer falar algos sobre o Sea of Thieves.

        Enfim, a paixão está aí, só falta colocar tudo em palavras…. hahahahahaha!

  • white_crow

    Achei que era o fim do RPG, e o começo do Mundo Nintendo! hahahahah

    • hahahahahahaha… Não dá ideia. Registrando domínio em 3…2… 😛